Ministério define calendário de emergência ambiental contra queimadas

O Ministério do Meio Ambiente definiu um calendário de emergência ambiental contra queimadas. O objetivo é preparar localidades específicas de 16 estados e no Distrito Federal para os possíveis períodos de queimadas. A medida serve para prevenir e controlar incêndios na Amazônia, no Cerrado, no Pantanal, na Caatinga e na Mata Atlântica, ao longo do ano. A portaria com o calendário foi publicada na última quarta-feira (22), no Diário Oficial da União.

De acordo com a publicação, fica declarado estado de emergência ambiental nas seguintes épocas e regiões:

  • Entre abril e novembro de 2017 nas seguintes localidades: Distrito Federal, Goiás, Rondônia, Rio de Janeiro, extremo oeste baiano, sul maranhense, sudoeste piauiense, centro-sul mato-grossense, nordeste mato-grossense, sudeste mato-grossense, sudoeste mato-grossense, Campo das Vertentes, Central Mineira, Jequitinhonha, região metropolitana de Belo Horizonte, noroeste de Minas, norte de Minas, oeste de Minas, sul/sudoeste de Minas, Triângulo Mineiro/Alto Paranaíba e Zona da Mata;
  • Entre maio e dezembro de 2017: Acre, Ceará, Mato Grosso do Sul, Tocantins, centro amazonense, sudoeste amazonense, sul amazonense, Vale São-Franciscano da Bahia, centro maranhense, leste maranhense, norte maranhense, oeste maranhense, Vale do Mucuri, Vale do Rio Doce, norte mato-grossense, baixo Amazonas, sudeste Paraense, sudoeste paraense, centro-norte piauiense e sudeste piauiense;
  • Entre junho de 2017 e janeiro 2018: Amapá, centro-norte baiano, centro-sul baiano, Marajó, região metropolitana de Belém, nordeste paraense, São Francisco pernambucano, sertão pernambucano e norte piauiense;
  • Entre julho de 2017 e fevereiro de 2018: norte amazonense, nordeste baiano, região metropolitana de Recife, agreste pernambucano e mata pernambucana;
  • Entre setembro de 2017 e abril de 2018:  Roraima, região metropolitana de Salvador e sul baiano.

O combate aos incêndios florestais faz parte da estratégia brasileira de cumprimento das metas do Acordo de Paris, para redução das emissões de carbono, gás que agrava o aquecimento global. Somadas aos desmatamentos, as queimadas são responsáveis por grande parte das emissões brasileiras.

O Brasil é referência no domínio das técnicas de controle do fogo em florestas. No início do ano, técnicos do Prevfogo (Centro Nacional de Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais), do Ibama auxiliaram o Chile, que passou por uma temporada intensa de fogo nas florestas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *