Marca brasileira de lingeries usa materiais biodegradáveis e orgânicos

Sim. É possível fazer moda e ser sustentável ao mesmo tempo. Esse é o conceito da Picê Ateliê, marca brasileira de lingeries, relançada em junho deste ano, que acredita no consumo consciente e na sustentabilidade.

“Ainda enfrentamos muitos obstáculos para sermos sustentáveis do início ao fim da cadeia produtiva, da escolha da matéria prima à produção justa, até o consumo consciente. Grandes marcas que buscam uma produção sustentável, conseguem ter linhas sustentáveis dentro da coleção, mas ainda há dificuldade de utilizar esses valores em todos os processos. Por outro lado, pequenas marcas têm dificuldade de trabalhar em escala industrial. A Picê está nascendo no meio dessa situação, mostrando que uma marca nova pode ser completamente sustentável, sendo profissional e com grande projeção”, diz a estilista Ana Elisa Santana.

Economia circular: empresa de segurança e ONGs reciclam 24 toneladas de resíduos têxteis por ano

Marca brasileira reaproveita roupas de brechós e tecidos à base de garrafa pet para produzir sapatos

Jovens lançam primeira marca de camisetas que une reciclagem, arte e ação social

A marca que utiliza sobras de matéria prima, produtos naturais de algodão orgânico, biodegradáveis, tecidos pet, dentre outros, tem uma linha de peças feitas com tecido que, em contato com aterro sanitário, leva apenas três anos para se decompor, ao contrário de um tecido tradicional que levaria 50 anos.

“Nosso objetivo é incentivar o consumo consciente e justo, a indústria brasileira (#feitonobrasil) e a produção em maior escala e de forma mais acessível de tecidos como o algodão orgânico, tecidos tecnológicos sustentáveis dentre outros materiais, que diminuam o impacto ambiental. Nos sentimos parte e sabemos que podemos fazer muito para mudar a cultura do fast fashion, trazendo nossas raízes e cuidando das pessoas”, diz Ana Elisa.

Um comentário em “Marca brasileira de lingeries usa materiais biodegradáveis e orgânicos

  • 12 de junho de 2017 em 17:31
    Permalink

    Gostei da matéria.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *